Blog
    
Sábado, 25 Agosto 2018 23:11

O que é um Grupo de Apoio à Adoção


FONTE: ASDB

A ANGAAD é uma associação civil, filantrópica, cultural e de defesa dos direitos de crianças e adolescentes, sem fins lucrativos, que congrega há 18 anos, mais de 120 Grupos de Apoio à Adoção, com representatividade em todas as cinco regiões brasileiras. Trabalha pela garantia do direito à convivência familiar e comunitária de toda criança e adolescente institucionalizado, dentro da perspectiva de uma nova cultura de adoção. É um canal de fortalecimento do Movimento Nacional de Apoio à Adoção.

FONTE: ASDB 

Adotar uma criança é a maneira que muitas famílias encontram para realizar o sonho de serem mães e pais. Mas quem disse que famílias são constituídas apenas por casais? Poucas pessoas sabem, mas não é preciso ser casada para adotar uma criança – aliás, as condições para entrar na fila de adoção são as mesmas para solteiras, casadas, pessoas em união estável e viúvas.




FONTE: ASDB 

Essa grande mulher começa a contar sua história a partir do encontro que ela e seu marido tiveram com Dale, há muitos anos, quando este era apenas um garoto de 16 anos, mas já tinha passado por mais de 24 casas de adoção.

Vontade de ir para a escola fez garoto de Ruanda ser adotado por uma americana que mudou a sua vida!

Dale ficou órfão ainda pequeno e teve que morar com alguns parentes. Ele foi abusado de todas as formas: sexual, física e psicológica; até que um dia conheceu o casal e teve sua vida transformada.

Tudo começou com um pedido simples de Michelle a ele: “fale-me sobre você”. Depois de conhecer a trajetória daquele garoto, ela voltou para casa e passou dois dias chorando. O casal já havia adotado quatro crianças, mas sentia que precisava ajudá-lo.

A aproximação entre eles começou com alguns jantares. Depois Dale foi convidado a passar os finais de semana na casa do casal até que, de forma muito natural, ele passou a morar com essa que seria sua nova família.

Passados alguns anos, o garoto saiu de casa para fazer faculdade. Após concluir os estudos, casou com sua namorada do ensino médio e teve dois filhos. Porém, eles acabaram se divorciando porque Dale revelou que era gay.

Durante todas essas etapas, ele sempre teve o apoio de sua família. Viveu épocas de muita união com seus pais e irmãos, mas eles também passaram por problemas de convivência durante alguns anos.

Logo depois do divórcio, Dale descobriu que estava com uma doença mental, que se agravou após ser tratada de forma indevida. Transtornado, ele afastou-se de todos e ficou sem falar com a família por muito tempo. Mesmo sem notícias do filho, Michelle e Steve permaneceram esperando por ele, dispostos a amá-lo e ajudá-lo no que precisasse.

Até que Emma, uma das filhas do casal, teve a iniciativa de se comunicar com Dale por e-mail, no começo do ano passado. A partir daí, a família voltou a ter notícias dele e um dia eles marcaram de se encontrar.

Após voltarem a conviver e ter ótimos momentos juntos, Michelle e o marido decidiram oficializar a adoção de Dale, que ao ser questionado sobre essa ideia, disse que sempre esperou por isso. Ele sempre foi considerado como um filho e recebeu amor genuíno, mas esse acontecimento foi importante para todos. Após aproximadamente 17 anos, ele foi adotado legalmente.

Michelle finaliza contando que a família passou por momentos muito delicados e difíceis. Eles superaram diferenças, distâncias e burocracias, sendo sempre sustentados pelo amor:

Nossas contribuições foram nossas insuficiências, nossas falhas, nossas tentativas equivocadas de jovens pais para criar um adolescente com trauma … não tínhamos ideia. Mas a chave era o amor. Sempre houve amor. Foi bagunçado e mais difícil do que eu poderia ter imaginado… mas também valeu a pena. A adoção é um presente, independentemente da idade.



FONTE: ASDB 

O aniversário de 51 anos do padre peruano Omar Sánchez Portillo sempre será lembrado por ele por um motivo especial: seu encontro com o pequeno Ismael, um bebê de dois meses com síndrome de down que foi abandonado pela mãe, mas tem sido cuidado pelo padre e seus assistentes.

A história foi publicada pelo site Aciprensa, que entrou em contato com o padre. Omar relatou que a mãe de Ismael tem 17 anos, e abandonou o filho no hospital. Foi aí que o Associação das Bem-Aventuranças, fundada pelo padre, foi acionada para acolher o menino, e ele tratou de ir pessoalmente até Cusco para resgata-lo.


FONTE: HUFF POST 

A Organização das Nações Unidas elaborou um documento para orientar o setor privado sobre o tema. Mais de 17 companhias brasileiras demonstram apoio a iniciativa

As ações afirmativas de empresas para a inclusão de pessoas LGBTI e para promover o respeito à diversidade no mercado de trabalho ainda são escassas e inconsistentes. A conclusão é da Organização das Nações Unidas. A ONU reconhece que a última década trouxe avanços para milhares de gays, lésbicas, bissexuais, pessoas trans e intersexo ao redor do mundo, mas ressalta que esse progresso foi sido parcial e desigual, com avanços significativos alcançados em alguns países e para algumas comunidades, compensados pela falta de progresso, ou até mesmo retrocesso, em outros lugares.




FONTE: OBSERVATÓRIO G 

O Brasil teve o seu melhor desempenho até agora no Gay Games 2018 em um único dia. Nesta quinta-feira (09), a Delegação Espírito Brasil conquistou seis novas medalhas que levaram o time para um placar de 16 vitórias, desde o início do evento esportivo, no último sábado (03).

Somente o atleta Jerry da Costa subiu três vezes no pódio. Com duas pratas no Lançamento de Dardo e no Salto com Vara, e um bronze no Arremesso de Peso, que se uniu as outras duas pratas que recebeu no 110m com barreiras e Decatlhon.

Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”