Adoção
    

Adoção

Domingo, 05 Agosto 2018 22:28

A ação de destituição do poder familiar


FONTE: ASDB 

A ação de destituição do poder familiar, o que é? É a ação necessária para desatrelar juridicamente a criança de seus pais, para que possa ser colocada em adoção. Destarte, em primeiro lugar, não se trata de uma proposta de aplicação de sanção aos genitores da criança que, em função de seus atos equivocados, perdem direito a sua filha. Se assim fosse, estar-se-ia diante de uma concreta e descabida reificação ou coisificação da criança. Adultos negligentes estariam sendo punidos com a perda da coisa que era de sua propriedade, em função de seus atos e omissões. Nada mais falso. Nesta ação judicial, que o Ministério Público tem o dever de propor quando se violam de forma grave os direitos da criança ou adolescente, o que se debate é, efetivamente, qual a melhor solução de vida para uma pessoa, detentora de prioridade absoluta que a torna o principal sujeito de direitos destas relações familiares que vivencia.


FONTE: ASDB

O destino de Larissa* começou a ser traçado quando os pais biológicos, usuários de crack, a abandonaram ainda bebê no meio de uma praça em Palmas de Monte Alto, na Bahia.

A menina, hoje com sete anos, foi rejeitada por três vezes em processos de adoção até chegar aos pais, em setembro de 2016.



Pai que ficou conhecido por adotar crianças conta como está sendo cuidar dos quatro, lidar com opiniões alheias e como foi ganhar título de "super pai"

FONTE: IGAY 

Benjamin Carpenter é conhecido no Reino Unido por ser um grande exemplo de ser humano. Ele ganhou essa fama após ter adotado quatro crianças que têm deficiências físicas ou transtornos psicológicos. Em todo esse processo de criar os filhos, o homem gay de 33 anos ganhou o título de “ super pai ” e tem o objetivo de fazer com que os filhos cresçam na vida.

O "superpai" Benjamin adotou 4 crianças, mesmo sendo um homem gay solteiro, e até ganhou reconhecimento pela atitude




FONTE: TERRA 

Estudo comparou o desenvolvimento psicológico de crianças com pais héteros e homossexuais

Com o passar dos anos, vem sendo cada vez mais comum que pais do mesmo sexo tenham filhos. Eles criam as crianças com amor, e são tão aptos quanto casais heterossexuais para exercerem as funções parentais. Entretanto, a questão ainda gera muito preconceito. É comum que a sociedade cometa equívocos, afirmando que crianças com pais homoafetivos sofrerão más influências, tendo seu desenvolvimento psicológico prejudicado.

Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”