Adoção
    

Adoção



Por: Hellen Leite - FONTE: CORREIO BRAZILIENSE

Há mães e mães. Existem aquelas que não dão a luz, mas geram sua prole no coração, como geralmente explicam aos filhos adotivos de onde eles vieram. E há aquelas que, ao descobrir a gravidez, descartam o aborto e optam por continuar a gestação, porém já decididas: vão doar a criança assim que ela nascer. No Distrito Federal, só nos três primeiros meses deste ano, seis mulheres já procuraram as autoridades e manifestaram interesse em entregar seus filhos a famílias adotivas. Na capital federal e nas cidades do DF, a adoção legal é um trabalho feito pelo programa Entrega em Adoção, coordenado pela Vara da Infância e Juventude (VIJ) em parcerias com redes de proteção à criança e ao adolescente.

São muitas as tristes histórias de crianças que sofrem abusos por parte de pais e familiares ou que sofrem com o abuso de drogas por parte daqueles que deveriam zelar pelo seu bem-estar. Entretanto, a esperança de conseguirem restabelecer laços familiares com outra família é sempre grande.

Desde a Constituição de 1988, a adoção no Brasil é vista como uma medida protetiva à criança e ao adolescente. Isso quer dizer que, muito além dos interesses dos adultos envolvidos, a adoção é um processo que prioriza o bem-estar das crianças e dos adolescentes que estão em situação de adoção.


Um vídeo publicado pelo Portal R7 no início deste mês, mostra uma reportagem exclusiva do Programa Domingo Espetacular onde são revelados detalhes sobre um novo esquema de tráfico infantil.

Segundo a reportagem, recursos da internet são usados para divulgar como funciona o esquema de adoção ilegal, onde crianças são ofertadas meio das redes sociais. As pessoas interessadas negociam crianças em grupos fechados de uma rede social. O esquema foi descoberto por acaso, após um casal que se arrependeu de ter doado seu filho, decidiu denunciar todo o esquema criminoso para a polícia.

l

O que era para ser apenas uma casa de passagem, para muitos acaba se tornando um local definitivo até o fim da adolescência. Alguns não foram destituídos do poder familiar; outros foram, mas não são adotados. O fato é que são vários os casos de jovens que completam 18 anos ainda morando em abrigos. Depois de tanto tempo nas casas de acolhimento, enfrentar o mundo fora delas é um desafio.

Elisandra, hoje com 19 anos, foi levada com os seis irmãos para um abrigo de Porto Alegre quando tinha seis anos. Eles foram retirados de casa pois a mãe tinha histórico de maus tratos, e o pai era usuário de drogas.

Random 1

Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”