Artigos
    

Artigos

Segunda, 20 Novembro 2017 16:12

Difícil decisão

A decisão por um filho por adoção – para muitos – não é exatamente fácil. Inúmeros são os motivos que levam as pessoas à ela. Trata-se realmente de questão muito íntima a ser analisada, discutida e decidida de forma ampla, seja com a companheira ou o companheiro, familiares e – no caso de pessoas solteiras – com as pessoas com as quais mantém relações de amizade e confiança!

Não posso deixar de destacar aqui a importância de profissionais da área – psicólogos e assistentes sociais - neste processo de decisão para a vida.

Adotar bebês ou partir para a chamada “adoção tardia” faz parte desta discussão a qual suscita ainda grandes paixões, discussões – dentro e fora dos grupos de apoio a adoção – e sentimentos contraditórios.

Segunda, 20 Novembro 2017 16:12

Destruímos valores

Dia destes – mais uma vez - estava lendo algumas opiniões de legisladores e de alguns grupos religiosos dando conta de que a união homoafetiva faz parte de uma trama de determinadas mídias para destruição dos valores familiares. Estas uniões – segundo estes pensadores – são praticamente a junção de tudo o que não presta e que – se concretizadas em Lei – formarão a base para a destruição da sociedade no que se evoluiu até hoje! É como se à partir do momento em que estas uniões forem legalizadas e os direitos civis reconhecidos toda a sociedade representada pelos heterossexuais correria o risco de se tornar homossexual ! Estranho não?

Segunda, 20 Novembro 2017 16:10

Informação contra o preconceito

Sempre digo ao meu filho Wesley que ele é o grande responsável pelas transformações em minha vida nos últimos 06 anos, ou seja, desde sua concepção e chegada em minha casa. Desde então, estou cada vez mais envolvido em tudo o que envolve adoção, novas formas de família e seus direitos. Tenho vivido uma verdadeira montanha-russa de emoções ao longo deste tempo e me percebendo um tanto diferente. Não sei exatamente aonde tudo isto me levará e creio que nem seja de importância.

Segunda, 20 Novembro 2017 14:59

Não sou bonzinho

Uma coisa que é legal, e sei que as pessoas fazem de coração é dar parabéns a quem adota. Confesso que isso chegou a me incomodar em algum momento, mas hoje processo em minha mente de outra forma. Independente da intenção de quem parabenizou, entendo a seguinte mensagem “Parabéns por ter esse filho maravilhoso, presente de Deus”.

Sei que rola uma espécie de PNL (Programação Neurolinguistica) para que meu cérebro interprete de uma maneira positiva na hora, para que eu não seja mal educado e não fale o que penso sobre os ‘parabéns’ de alguns.Não posso ser ingrato, mas também não posso ser ingênuo.

Sei que grande parte das pessoas acreditam que quem adota está fazendo caridade (geralmente por falta de informação mesmo) e é apenas aí que me afeta. Somos falsos bonzinhos e como disse Saramago, os animais podem ser selvagens, mas apenas o homem é cruel.

Página 8 de 8
Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”