Blog
    
 
FONTE: FAMÍLIA - Por: Roberta Preto
 
Segundo o Cadastro Nacional de Adoção (CNA), o Brasil possui 4.755 crianças e adolescentes na fila de adoção e, 37 mil pretendes habilitadas, porém, "A preferência da população por adoção são meninas brancas recém-nascidas - o que não é o perfil brasileiro", ressalta a advogada Ivone Zeger, especialista em Direito de Família e Sucessão.
 
Eu cresci num lugar difícil de se viver, mas nada se comparava a vida das crianças que conheci em um lar próximo à escola que eu estudava. Eu adorava visitar esse lugar nos fins de semana, pois tornei-me amiga das crianças que foram deixadas para trás. Estudamos, brincamos e sorrimos juntas. Algumas dessas crianças eram negras, outras brancas e pardas, tinham suas próprias peculiaridades, porém, elas possuíam um mesmo objetivo, desejavam que uma família as adotassem.

FONTE: IG  (  

Caixa especial com sistema de aquecimento fica em organização de caridade da Bélgica, onde não é possível dar à luz de forma anônima em um hospital

Na Bélgica , as mulheres grávidas que não querem ou não podem criar um bebê têm a opção de deixar a criança para adoção de forma anônima após o parto em uma organização de caridade chamada Moeders Voor Moeders, ou "Mães para mães", em tradução livre. O meio para isso é uma caixa especial, onde a menina ou menino ficam aquecidos, seguros e à espera das funcionárias do local.

Domingo, 25 Fevereiro 2018 01:10

Etiópia proíbe a adoção internacional




FONTE: AGÊNCIA EFE - Por: Kim Ludbrook – Imagem Pixabay
O Parlamento da Etiópia aprovou uma lei que proíbe a adoção internacional e o Governo terá que decidir que vai acontecer com as adoções que já estão em andamento, confirmou nesta quinta-feira à Agência Efe uma fonte oficial.
"Agora que aprovamos a lei que proíbe os estrangeiros de adotar crianças etíopes, resta formular o regulamento e as determinações sobre o que vai acontecer com os casos em processo", explicou à Efe o diretor de Relações Públicas do Ministério da Mulher e da Infância, Alemayehu Mammo, que revelou que atualmente não há determinações claras.

FONTE: JUSTIFICANDO - Por: Maíra Zapater

Para quem estuda as questões de gênero há algum tempo, é certamente curiosa a proporção que os debates sobre o tema vêm tomando ultimamente: antes restrito a alguns espaços acadêmicos ou militantes, o assunto vem ocupando pautas do STF com julgamentos sobre o direito de pessoas trangêneras usarem este ou aquele banheiro em espaços públicos[1], é cobrado de estudantes na prova do ENEM, leva mulheres às ruas para questionarem propostas legislativas que retrocedem na conquista de direitos e leva a alterações legislativas criando figuras penais controversas como o feminicídio.
FONTE: O GLOBO - Por Paula Ferreira / Renato Grandelle
RIO- Quando tinha 9 anos, Junior Philip só andava com meninas na escola. Um colega o perseguia, dizendo que ele deveria ter “postura de homem” e, um dia, o empurrou contra a quina da mesa da professora. Junior, inconsciente, precisou ser levado às pressas para o pronto-socorro. Até hoje, tem uma cicatriz. No fim do ensino fundamental, ele se mudou para uma cidade no interior do Espírito Santo, continuou sendo alvo de bullying, e voltou para o Rio depois de meses. Aqui, para que ninguém o ofendesse por ser homossexual, chegou a namorar uma menina, mas o relacionamento durou pouco. O preconceito contra alunos LGBT é comum nas instituições de ensino, por vezes praticado até com a conivência do corpo docente.
Sábado, 24 Fevereiro 2018 23:38

Associação Lesbiaca e Gay (LSVD)

 
A Associação Lesbiaca e Gay (LSVD) é a maior organização não governamental de direitos LGBT na Alemanha. Foi fundada em 1990 e faz parte da International Lesbian, Gay, Bisexual, Trans e Intersex Association (ILGA).  O LSVD foi fundado em Berlim, mas atualmente tem sede na cidade de Colônia – Alemanha.
 
Seu objetivo  e programa é:
- Aplicar direitos iguais
- Para perceber o direito ao respeito - lutar contra a homofobia
- Respeite educação, ciência e cultura
- Perceba o direito de começar uma família
- Para fazer valer o direito de autodeterminação para pessoas transexuais, transexuais e intersexuais
- Promover diversidade e aceitação
- Para impor uma política de saúde esclarecida e solidária
- Assuma a responsabilidade pelo passado
- Promover a igualdade de direitos, diversidade e respeito na Europa
- Promover o respeito pelos direitos humanos em todo o mundo
Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”