Blog
    


FONTE: MUNDO AO MINUTO

Responsável de serviço de adopção de Sena Marítimo, em França, faz declarações polémicas. Para "casais atípicos", "crianças atípicas".

A responsável dos serviços de adopção de Sena Marítimo, em França, admitiu que os casais homossexuais não são prioridade no momento de adotar e que para eles são reservadas as “crianças atípicas”.




FONTE: DESTAK 

Diferentemente dos demais candidatos, em 100% dos casos eles optam por crianças acima dos quatro anos

Na contramão dos modelos tradicionais de adoção – nos quais as famílias preferem adotar bebês recém nascidos - os processos de adoção abertos por casais homoafetivos do Distrito Federal têm subvertido essa tendência. Nos dois últimos anos, todos os processos concluídos por casais gays foram para adotar crianças acima dos 4 anos e com irmãos, de acordo com levantamento da Vara da Infância.





FONTE: RFI

Desde 2013, casais do mesmo sexo podem adotar crianças da mesma forma que casais heterossexuais. No entanto, a discriminação persiste, especialmente na região de Seine-Maritime, no noroeste da França.

A diretora do serviço de adoção da região de Seine Maritime, no noroeste da França, Pascale Lemare, está no centro de uma polêmica depois de ter afirmado que “é complicado” para um casal homossexual adotar um bebê recém-nascido em boa saúde. Para eles, disse, restariam apenas “crianças maiores, deficientes físicas ou com problemas psicológicos”.




FONTE: HUFF POST

Apesar de a homossexualidade não ser crime no país, gays sofrem constantes perseguições na Rússia.

O governo brasileiro lançou na última quinta-feira (7) uma cartilha de recomendações para os torcedores que pretendem assistir e torcer pela seleção brasileira na Copa da Rússia.

O guia consular provocou comentários ao sugerir que a comunidade LGBT evitasse "demonstrações homoafetivas em ambientes públicos".



FONTE: BRASIL247 

Além de uma república autônoma na Rússia, ser LGBT é crime em todos os participantes africanos na Copa, além de Irã e Arábia Saudita. Em contrapartida, a comunidade tem direitos plenos na Dinamarca, Islândia, Bélgica, Alemanha, França, Holanda, Portugal, Suécia, Argentina, Uruguai, Colômbia, Austrália e Nova Zelândia.

Por William De Lucca – Se dentro de campo, espera-se muita luta por parte dos jogadores das 32 seleções que disputam a Copa do Mundo da Rússia, que começa nesta quinta-feira (14), fora dele a luta dos direitos da comunidade LGBT nestes países ainda é inglória. Em pelo menos sete países participantes da competição, ser gay, lésbica, bissexual, travesti ou transexual é crime, com penas de prisão e até de morte.




FONTE: METROPOLES

O mês de junho não é só dos namorados. A época celebra também o Orgulho LGBT+, e o assunto é tendência nas passarelas desde os desfiles da última temporada – quando grifes internacionais, como a Burberry e Alice + Olivia, exibiram tênis, capas, vestidos, moletons e outros acessórios nas cores do arco-íris.

Este mês, diversas brands de vários segmentos declaram seu apoio à causa. O universo fashion abraça o queer: roupas e acessórios ganham cores e estampas temáticas.

Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”