Blog
    




FONTE: MAGAZINE - Por: Ana Patrícia Cardoso - Foto: Sara Matos/Global Imagens

Jorge Cabral sempre quis ser pai. Há sete anos, quando adotou o Sérgio, cumpriu esse desejo. A lei vigente à época não permitia a adoção por casais homossexuais. Mas isso não o demoveu. O filho, que é filho, ponto, como de sangue, é a sua prioridade. Em semana dos pais, Jorge foi um dos que nos contou a sua história,

''Este candeeiro que temos na sala com o Pinóquio pendurado tem um significado especial. Costumava ler muitas vezes esta história ao Sérgio antes de dormir. Um pai que, como não tinha filhos, decidiu criar o seu. É uma boa metáfora para nós'', diz Jorge Cabral, de 46 anos.




FONTE: Agência CNJ de Notícias - Por: Luiza Fariello

Um “boa-noite” faria toda diferença na vida de mais de cinco mil crianças acima dos sete anos. A frase é o slogan da campanha “Adote um Boa-Noite”, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que tem como objetivo conseguir famílias para crianças e adolescentes que vivem em abrigos e com chances remotas de adoção – em geral, por estarem acima da idade desejada pelos pretendentes.

O Estado de São Paulo concentra o maior número de crianças que vivem em abrigos: nele estão 13.418 das 47 mil acolhidas em todos os estados, de acordo com dados do Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Somente em 2017, foram emitidas 880 novas guias de acolhimento no estado de São Paulo.



FONTE: CAMPO GRANDE NEWS - Por: Thailla Torres

Silvana nasceu menina e hoje é homem, mesmo sem trocar nome de batismo; Patrícia nasceu menino e conquistou uma vida nova

Em um salão de beleza, do bairro Universitário, as proprietárias Patrícia, Sirlei, Silvana e Sirlene têm muito a ensinar. O quarteto de irmãs veio de Vicentina, a 251 quilômetros de Campo Grande, para recomeçar a vida de mãos dadas e acabaram exemplo no bairro pelo respeito à diversidade. Das 4, 2 são transexuais, mas só descobriram isso na vida adulta. As irmãs defendem que juntas são mais fortes contra o preconceito.


FONTE: ESTADÃO - Por: Denise Rampazzo

Discriminar é o ato de segregar ou de não aceitar uma pessoa ou um grupo de pessoas por suas características pessoais: cor da pele, orientação sexual, gênero e idade; ou sociais: credo religioso, trabalho, convicção política etc. Juridicamente, é o ato contrário ao princípio de igualdade.Pessoas sofrem discriminação diariamente no País. São maltratadas ou estigmatizadas por serem negras, mulheres, nordestinas, soro positivos, gays, viverem com deficiências diversas, entre outras.

No Brasil, temos avançado jurídica e socialmente na garantia de direitos equânimes a todas as pessoas, ainda que alguns direitos não sejam usufruídos por todos. É cada vez mais incomum presenciarmos discursos que defendem de forma explícita a superioridade de um grupo socialmente constituído sobre outro. Sinal dos tempos.

Apesar das diferenças sociais gritantes, o mecanismo de autocensura tem sido eficaz, ao menos no que se diz em público.Apesar das políticas públicas de garantia de direitos – cada vez mais robustas – procurarem garantir tratamento digno e justo a todos, ainda há muito a ser feito.


FONTE: G1 - Por Mariana Nadaleto

Kayky treina desde os seis anos em uma academia de dança em Guarujá, no litoral paulista, e acumula várias conquistas.

Um menino de Guarujá, no litoral de São Paulo, tem lutado contra o preconceito e a falta de apoio em busca do sonho de tornar-se um bailarino profissional. Kayky Santana Silva, de apenas 10 anos, tem se destacado em festivais de dança e, apesar da pouca idade, já demonstra maturidade suficiente para entender e ignorar as críticas que sofre por conta da paixão pela dança.

FONTE: DCM - Por: Anna Ramalho

Acabou às 5:30 h da manhã de hoje o belíssimo – e animadíssimo – casamento da veterinária Roberta Gradel com Priscila Raab, craque do mercado financeiro, em tocante cerimônia comandada pelo hazan David Alhabeff, que comoveu as famílias e os amigos falando sobre a coragem das noivas em assumirem seu amor enfrentando o preconceito.
Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”