LGBT Alemanha
    
Sábado, 24 Fevereiro 2018 23:38

Associação Lesbiaca e Gay (LSVD)

 
A Associação Lesbiaca e Gay (LSVD) é a maior organização não governamental de direitos LGBT na Alemanha. Foi fundada em 1990 e faz parte da International Lesbian, Gay, Bisexual, Trans e Intersex Association (ILGA).  O LSVD foi fundado em Berlim, mas atualmente tem sede na cidade de Colônia – Alemanha.
 
Seu objetivo  e programa é:
- Aplicar direitos iguais
- Para perceber o direito ao respeito - lutar contra a homofobia
- Respeite educação, ciência e cultura
- Perceba o direito de começar uma família
- Para fazer valer o direito de autodeterminação para pessoas transexuais, transexuais e intersexuais
- Promover diversidade e aceitação
- Para impor uma política de saúde esclarecida e solidária
- Assuma a responsabilidade pelo passado
- Promover a igualdade de direitos, diversidade e respeito na Europa
- Promover o respeito pelos direitos humanos em todo o mundo
 
Em seu site https://berlin.lsvd.de/  detalha minuciosamente sua missão, que segue abaixo:
 
Igualdade de direitos, diversidade e respeito
Princípios do trabalho LSVD
Todos os seres humanos são livres e nascem iguais em dignidade e direitos. Esta grande promessa da Declaração Universal dos Direitos Humanos também deve ser cumprida para lésbicas e homossexuais, bem como para bissexuais, transexuais, transexuais e pessoas intersexuais. A Associação Lesbiana e Gay na Alemanha (LSVD) trabalha para esse objetivo.
 
As lésbicas e os homossexuais na Alemanha alcançaram muita liberdade pessoal e social. Cada vez mais vivem com confiança e abertura: na família, no clube e em todas as áreas concebíveis da vida social. A situação jurídica das lésbicas e gays e suas comunidades também melhorou significativamente.
No entanto, a igualdade ainda não é plenamente realizada, a discriminação ainda não foi superada. A homofobia, a atitude hostil em relação às lésbicas e gays, bem como a sua aparência em público, continua a se espalhar em partes da sociedade. Ele se manifesta em exclusão, discriminação e hostilidade à violência brutal.
 
Os adolescentes lésbicas e gays muitas vezes têm dificuldade em sair. Muitas instituições e cargos são abertamente gays ou lésbicas vivendo praticamente fechados. Alguns ainda se sentem obrigados a ocultar sua identidade sexual e a levar uma vida dupla com uma fachada heterossexual, especialmente no local de trabalho. A experiência de séculos de opressão ainda é poderosa hoje.
 
O LSVD COMO ASSOCIAÇÃO DE DIREITOS CIVIS
A política de cidadania do LSVD visa criar o quadro social para as lésbicas e gays poderem desenvolver seus próprios planos de vida pessoal - livres de desvantagens legais e outras, sem a necessidade de se adaptarem às normas tradicionais, livres de hostilidade, discriminação e homofobia. Praticar a homofobia, qualquer forma de discriminação, e especialmente ameaças de violência, é um ataque à liberdade. Uma sociedade democrática deve afirmar o direito de todos poderem ser diferentes sem medo em qualquer momento e em qualquer lugar.
 
É por isso que exigimos a igualdade de direitos. Eles são o pré-requisito para uma vida auto-determinada. Isso inclui a igualdade jurídica de casais e famílias do mesmo sexo com casamento, bem como proteção legal efetiva contra a discriminação. Os direitos iguais devem ser realizados na vida cotidiana como participação igual na sociedade. Não deve haver áreas restritas para lésbicas e gays - nem no campo de futebol nem no conselho dos pais, nem na oficina de reparação de carros nem na suíte executiva.
 
O LSVD representa uma política de diversidade. Em nossa sociedade, uma variedade de estilos de vida e estilos de vida são vividos. A emancipação lésbica e homossexual agita os papéis tradicionais de gênero e proposições normativas sobre como a vida decente deve ser vista. Nós nos opomos a uma visão de mundo que leva a heterossexualidade para certo e natural, levando-a como o padrão contra o qual tudo é medido. Nós nos defendemos contra a "presunção heterossexual", que pressupõe, em todas as situações cotidianas, que o oposto é heterossexual. O LSVD promove um clima que reconheça e valorize a diversidade como um bem. Não queremos direitos especiais, mas direitos iguais. Isto aplica-se, não menos importante, às famílias do arco-íris e especialmente às crianças, que crescem em famílias do mesmo sexo. Queremos que os estilos de vida lésbicas e homossexuais sejam respeitados e reconhecidos como uma parte natural da normalidade social.
 
O respeito é a fórmula mágica para uma boa vida social em conjunto. O desprezo e a supressão da homossexualidade não é uma lei da natureza, mas um legado infeliz dos tempos pré-democráticos. A homofobia persiste, mas é uma doença social que pode ser superada. Os remédios são compromisso, educação e diálogo. Porque o respeito pressupõe conhecimento do outro e do outro. Não deve haver tabus sobre a homossexualidade - não na escola, nem na mídia, nem nos esportes. Nós pensamos: o amor merece respeito. Mas também sabemos que o reconhecimento não é dado como presente, mas deve ser obtido. Com o nosso trabalho, damos respeito às lésbicas e aos homossexuais na sociedade, na política e nas instituições. Nossa voz é ouvida: no Bundestag,
 
JUNTOS NA DIVERSIDADE
Nossa associação foi fundada em fevereiro de 1990 em Leipzig como uma associação gay (SVD), originária do movimento opositor de direitos civis da RDA e com a reivindicação de formular política de direitos civis gay para a Alemanha. Como parte do programa, o SVD aumentou a emancipação, participação e integração - não entendia como um ajuste, mas como uma tarefa social global. Estamos e continuaremos comprometidos com esses objetivos. Por iniciativa de muitas lésbicas dedicadas, a Associação Gay mudou em 1999 para a Associação Lesbiana e Gay (LSVD). Desde então, lésbicas e gays trabalham juntas com sucesso no LSVD. Juntos lutamos pela igualdade de direitos e aceitação social. A igualdade de direitos, diversidade e respeito também servem de modelo dentro da associação. Através desta tríade, nós também definimos o lugar da LSVD na comunidade lésbica e gay diversas. Lésbicas e gays também têm orientações e modos de vida muito diferentes. Queremos promover o orgulho nesta diversidade entre gays e lésbicas. O LSVD escolheu deliberadamente o nome Associação Lesbiana e Gays na Alemanha. Porque não só os alemães vivem na Alemanha. O LSVD envolve gays e lésbicas de muitos países, culturas e origens étnicas. Pessoas com e sem deficiência são ativas no LSVD. Mistura jovem e antiga em nossa associação. Estamos comprometidos com os direitos das pessoas transgêneros, bissexuais, transexuais e intersexuais.
 
OS DIREITOS HUMANOS SÃO INDIVISÍVEIS E ILIMITADAS
Nosso compromisso não pára nas fronteiras da Alemanha. Juntamente com as organizações parceiras, lutamos na União Europeia e no Conselho da Europa para uma Europa de igualdade e diversidade. No nosso continente, lesbianas, gays, bissexuais e transgêneros são muitas vezes tratados com ódio. Mas é muito positivo que a União Europeia tenha se tornado um importante motor para a igualdade de direitos e contra a discriminação. O LSVD depende do aumento da integração europeia.
 
Em muitas regiões do mundo, os direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais, pessoas transexuais, transexuais e pessoas intersexas são pisoteados. Em muitos estados, o amor do mesmo sexo é punível, em alguns deles até ameaçados com a pena de morte. Em muitos lugares, as autoridades estaduais estão envolvidas na supressão, negando qualquer proteção contra hostilidade e violência. Somente por alguns anos, foi possível ancorar esses tópicos no discurso internacional dos direitos humanos. Em 2006, conhecidos especialistas internacionais em direitos humanos desenvolveram os "Princípios de Yogyakarta sobre a Aplicação dos Direitos Humanos em relação à Orientação Sexual e Identidade de gênero". Esses princípios, escritos em uma conferência na cidade indonésia de Yogyakarta, constituem a primeira revisão sistemática da garantia de direitos humanos para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, transexuais e pessoas intersexuais. Defendemos que os governos federal, estadual e local declarem os princípios de Yogyakarta como a base oficial para suas políticas e que a República Federal apoia sua validade mundial.
 
Em 2006, o LSVD recebeu status de conselheiro oficial nas Nações Unidas. Ao fundar a Fundação Hirschfeld-Eddy - Fundação para os Direitos Humanos das Lesbianas, Gay Men, Bisexuais e Transgêneros, a LSVD criou em 2007 uma ferramenta para promover o respeito pelos direitos humanos, apoiar o trabalho internacional de direitos humanos, apoiar ativamente os defensores dos direitos humanos e educar e promover a eliminação do preconceito.
 
MUITO REALIZADO, MUITO A FAZER
A nossa associação lutou muito: o reconhecimento legal dos casais do mesmo sexo, a Lei Geral de Igualdade de Tratamento, o cancelamento final do § 175 StGB, melhorias para os transexuais, o estabelecimento de um monumento nacional aos homossexuais perseguidos no âmbito do nacionalsocialismo - para citar apenas alguns exemplos. Estreitamente ligado ao trabalho político, o LSVD é também um ponto de contato para informação, aconselhamento e ação. O LSVD fornece suporte e assistência para abordar todas as questões lésbicas e gays enfrentadas por preconceitos, discriminação social, discriminação, exclusão, hostilidade, violência e racismo. No entanto, o LSVD não quer limitar-se a trabalhar como conserto de reparos pelo dano que causa discriminação e exclusão às pessoas. Como associação de direitos civis, o LSVD começou a mudar as condições sociais. Todas as pessoas que acreditam na igualdade de direitos, diversidade e respeito, seja lésbicas, homossexuais, heterossexuais, bissexuais, transgêneros, transgêneros ou intersexos, nós sinceramente convidamos você a se juntar a nós nesta jornada.
Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”