Notícias no mundo
    
Sábado, 31 Março 2018 20:33

Rússia permitirá símbolos LGBT durante a Copa do Mundo

FONTE: FOLHA DE SÃO PAULO

Torcedores que forem à Rússia para a Copa do Mundo e quiserem exibir símbolos LGBT em estádios e Fan Fests não sofrerão nenhum tipo de punição e terão a entrada permitida nos locais sem contratempos. Essa é a promessa da Fifa e do COL (Comitê Organizador Local).

“Definitivamente não haverá nenhum tipo de banimento para quem usar símbolos com as cores do arco-íris na Rússia. Está claro que qualquer um poderá vir aqui e não ser multado por expressar os seus sentimentos”, afirmou à Folha Alexei Sorokin, CEO do Comitê Organizador Local.


“Membros do público poderão sim levar as bandeiras com a cor do arco-íris, mas logicamente a Fifa e o COL podem rejeitar as que não seguirem o padrão de tamanho. Se as bandeiras forem exibidas junto com algum tipo de mensagem, avaliaremos caso a caso”, informou a Fifa.

Relação sexual entre pessoas do mesmo sexo não é crime na Rússia desde 1993, mas reações homofóbicas ainda são comuns e mais acentuadas em regiões como a Tchetchênia, por exemplo, de maioria muçulmana.

Em outras cidades, não é raro homossexuais sofrerem agressões físicas ou verbais, inclusive na capital, Moscou.

Em 2015, dois famosos youtubers do país saíram juntos de mãos dadas se fazendo passar por um casal para filmar as reações das pessoas nas ruas. Foram xingados e receberam diversas trombadas.

“A Rússia não é um país seguro para homossexuais se declararem abertamente. Existe ainda um nível de ódio muito grande. As pessoas podem ser atacadas nas ruas e nos estádios e por isso devem ser cuidadosas”, disse Svetlana Zakharova, diretora de comunicação da ONG Russian LGBT Network.

Aprovação popular

A lei da “propaganda gay” proíbe manifestações LGBT em locais públicos onde crianças possam estar presentes. Entre os banimentos estão paradas de orgulho gay e distribuição de materiais que divulguem relações entre pessoas do mesmo sexo. Pesquisa de 2013 conduzida pelo Centro Russo de Estudo de Opinião Pública apontou que 90% dos entrevistados eram favoráveis à lei.

“A lei é sobre propaganda para menores. Não posso imaginar que alguém vá a uma escola e divulgue isso [LGBT] para crianças”, disse Alexei Smertin, que desde o ano passado trabalha para a federação russa de futebol como inspetor anti-discriminação.

Logo após a lei entrar em vigor, em 2013, Moscou recebeu o Campeonato Mundial de Atletismo. Duas atletas suecas, Ema Tregaro e Moa Hjelmer pintaram as unhas com as cores do arco-íris.

A atitude gerou reprovação da campeã olímpica e mundial do salto com vara, Ielena Isinbaieva. “Temos a nossa lei e todos têm que respeitar. Quando vamos a outros países seguimos suas regras”. Acusada de homofobia, ela afirmou reprovar o preconceito contra homossexuais.

Em 2014, quando Sochi recebeu os Jogos Olímpicos de Inverno, o presidente Vladimir Putin declarou que homossexuais seriam bem-vindos à Rússia, mas que deveriam “deixar as crianças em paz”.

Durante a Olimpíada, diversos atletas se mostraram favoráveis à causa LGBT e alguns se declararam publicamente homossexuais. A AT&T, patrocinadora do Comitê Olímpico dos EUA, publicou uma carta apoiando o movimento.

“Recebemos muito bem esta notícia para a Copa do Mundo, pois sabemos que a luta contra a discriminação é uma das bandeiras da Fifa. Ter declarações das autoridades russas liberando manifestações em estádios é algo que dá segurança de que não haverá nenhum problema”, afirmou Pavel Klimenko, pesquisador da FARE Network, organização que aconselha a Fifa e a Uefa sobre discriminação no futebol.

O órgão trabalha também em conjunto com o Sova Centre, uma organização baseada em Moscou que atua em prol da defesa dos direitos humanos na Rússia.

O pesquisador, porém, faz alerta a homossexuais que visitem o país não apenas durante a Copa do Mundo, como também em outras ocasiões.

“Uma coisa são as declarações das autoridades, outra é o comportamento da população na rua. Eu não acredito que haverá problemas durante a Copa, mas é bom evitar manifestações públicas de afeto”, afirmou.

“Mas ainda que tudo corra bem durante a Copa, a pergunta que fica é: como será depois?”, completou.

Representante do Sova, Mikhail Akhmetiev afirmou que é difícil saber como será a reação dos russos nos estádios caso bandeiras nas cores do arco-íris venham a aparecer.

“Pelo que tenho conhecimento, jamais ninguém tentou exibir uma bandeira dessas em um jogo de grandes dimensões na Rússia”, disse.

Multas

A Fifa tem endurecido o combate contra a homofobia no futebol e aplicado punições às federações nacionais por causa do comportamento de seus torcedores.

Nas eliminatórias para o Mundial da Rússia, a entidade aplicou penas a federações nacionais após gritos homofóbicos de torcedores. No total, elas pagaram R$ 4,3 milhões em multas à Fifa.

A CBF foi multada cinco vezes e teve de pagar R$ 334 mil.

Os árbitros já foram avisados que terão o poder de paralisar uma partida durante a Copa caso haja insistência no comportamento discriminatório de torcedores, seja por homofobia ou racismo.

Na Copa das Confederações de 2017, o México foi advertido por gritos homofóbicos de seus torcedores. “Estamos promovendo discussões para que possam combater tais incidentes”, informou a Fifa.

Prisão para estrangeiros

O texto da lei que restringe a chamada “propaganda gay” na Rússia diz que a proibição serve para “proteção das crianças de informações prejudiciais a sua saúde e desenvolvimento”. Segundo o documento, o objetivo é impedir a divulgação de material que “propague relações sexuais não-tradicionais”.

Estrangeiros que violem a lei podem ser detidos por até 15 dias, deportados e ainda terem de pagar multa de 5 mil rublos (R$ 287). Russos estão sujeitos à multa, e organizações do país podem ter suas licenças cassadas.

“Não imagino estrangeiros sendo presos por apoiar a causa LGBT durante a Copa. Mas no ano passado uma jovem russa ficou detida dois dias apenas por exibir um cartaz dizendo: ‘eu amo minha esposa’”, contou Zakharova, da Russian LGBT Network.

As entidades russas que monitoram práticas homofóbicas têm dificuldades para ter números concretos sobre o problema. Isso porque o governo não os divulga. Há também receio de relatar ao governo agressões e abusos na Rússia.

“Muitos têm medo de ir à polícia, não confiam nas autoridades. Os policiais muitas vezes acabam se recusando a registrar os casos ou acabam humilhando os homossexuais”, afirma Zakharova.

Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”