Preconceito
    
Domingo, 19 Agosto 2018 03:21

Malásia. Ministro ordena que retratos LGBT sejam removidos de exposição


FONTE: RTP

A organização de um festival na Malásia removeu dois retratos de ativistas LGBT de uma exposição pública de fotografias, após reclamações do Governo. O diretor do George Town Festival disse que o ministro dos Assuntos Islâmicos, Mujahid Yusof Rawa, ordenou que retirassem as imagens. O governante argumenta que a promoção da cultura LGBT não deve ser apoiada na Malásia.

A exposição apresenta uma série de retratos com diferentes malaios a posar com a bandeira do país.A homossexualidade é ilegal na Malásia sob as leis seculares e religiosas.

As fotografias foram captadas no ano passado para comemorar os 60 anos de independência da Malásia.

Num dos retratos estava Nisha Ayub, uma ativista transgénero que ganhou vários prémios, incluindo o Prémio Internacional das Mulheres de Coragem do Secretário de Estado dos EUA, em 2016, pelo trabalho sobre os direitos dos transsexuais.

Pang Khee Teik é o cofundador do Seksualiti Merdeka, um festival anual de direitos de sexualidade. Além disso, é também editor do fórum online Queer Lapis.

O responsável pelo Seksualiti Merdek foi fotografado a segurar uma bandeira de orgulho LBGT, envolto na bandeira nacional.
Demonstração de orgulho da Malásia

Joe Sidek, o diretor do festival, disse à BBC que recebeu ordens para tirar as fotografias, mas não foi "ameaçado". O objetivo da exposição pública, Stripes and Strokes, era mostrar "o orgulho da Malásia, não o orgulho gay", frisou Sidek.
A sociedade malaia "não aceita que a comunidade LGBT seja promovida porque é contra as normas", disse Mujahid ao jornal The Star da Malásia.

"Não aprovo a censura, mas entendo por que razão isto tinha de ser feito”, disse Sidek. "Por isso, escolhi perder esta batalha", acrescentou, após mencionar que foi criticado pela decisão.

O director do George Town Festival insistiu que estava a olhar para a situação na totalidade e que combater esta solicitação poderia causar problemas no futuro.

"Tenho repetido regularmente no Parlamento que não apoiamos a promoção da cultura LGBT na Malásia", disse Mujahid Yusof, segundo o jornal The Star da Malásia.

"Quando se coloca a fotografia com o símbolo [de orgulho], se isso não é promoção, então qual é a definição de promoção?", frisou o ministro de Assuntos Islâmicos.

Quando o Estado interfere na arte pode ser considerado censura, afirmou Syahredzan Johan. Segundo o advogado dos direitos civis e secretário político de Lim Kit Siang, se a censura serve para ceder a determinadas "sensibilidades", então a censura está errada.

“Lutei contra esta censura no regime anterior. Não vou tolerar a mesma censura por este Governo", disse num tweet.

Divulgação nas redes sociais

Vários ativistas dizem que a intolerância para com a comunidade lésbica, gay, bissexual e transgénero tem crescido na Malásia nos últimos anos. Milhares de pessoas já viram os retratos dos ativistas Nisha Ayub e Pang Khee Teik nas redes sociais, após a ordem do Governo para remover a exposição fotográfica.

“A ordem do ministro para remover estas fotos da exposição só inspirou mais malaios a compartilhá-las online, mais do que se tivessem participado no festival de George Town”, explicou ao jornal The Tapir Times o analista LGBT Abdullah bin Bakar.

Depois de perceber que a proibição dos retratos não resultou, o Governo malaio está a investigar maneiras de proibir a partilha da exposição online.
Em comunicado, a Amnistia condenou a discriminação contra pessoas LGBT na Malásia pelos políticos do país.

“O novo Governo da Malásia deve aproveitar a oportunidade para estabelecer padrões mais elevados de direitos humanos em toda a região. Isso inclui assegurar uma sociedade inclusiva, igualitária e recetiva para as pessoas LGBTI”, revela o comunicado da organização.

Nisha Ayub disse numa publicação, divulgada no Facebook, que as pessoas estavam a tentar usar a sua fotografia, assim como as de outros ativistas, contra o Governo.

"Falam sobre os direitos enquanto cidadãos da Malásia, mas mesmo assim negam que pessoas como eu expressem o nosso amor ao nosso próprio país", escreveu a ativista transgénero.
Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”