Preconceito
    
Segunda, 20 Novembro 2017 14:52

Família homoafetiva com duas mães e dois filhos nunca sofreu preconceitos




André e Anna Laura são irmãos que vivem uma situação comum em muitas famílias: são filhos de um casal separado. Durante a semana, André vive com a mãe. Anna Laura mora numa outra casa, com a mãe também. É, são duas mães, duas Anas. Ana Claudia e Ana Lúcia casaram e há quase dez anos se separaram. E sabe o que os filhos aprenderam desde muito cedo nesta família? A entender e respeitar as diferenças.

André e Anna Laura acham até engraçado quando fazem a pergunta que eles mais ouvem na vida: como é ter duas mães?

“Para mim é normal. Meu irmão acha a mesma coisa. Então fica tudo bem”, diz Anna Laura.

 

Ana Claudia e Ana Lucia decidiram formar uma família numa época em que casais do mesmo sexo ainda não tinham direito à união estável ou civil, mas as duas tinham um sonho maior que qualquer obstáculo: ter filhos. Primeiro Ana Lucia engravidou do André. Depois foi a vez da Ana Claudia dar à luz Anna Laura. E o pai?

"A decisão foi um doador anônimo de banco de sêmen. Era mais segura medicamente. Eles são meios-irmãos biologicamente. Não tem pai. Tem doador genético", diz a empresária Ana Lúcia.

"É filho das duas. Não existe essa porque nasceu na barriga dela ou nasceu da minha barriga, o plano era do casal, o plano era das duas”, conta a professora de educação física Ana Claudia.

Essa história nunca foi segredo. E sempre foi tratada com tanta naturalidade que o André só tinha um dilema: como chamar pelas duas mães sem criar confusão? Ele mesmo achou a solução: “Desde pequeno eu chamo uma de mãe e a outra de mãezinha”, diz André Lodi.

O melhor de tudo é que essa família nunca foi vítima de preconceito. “Eu acho que a nossa postura, uma postura séria, postura de família honrada, tranquila, isso ajudou muito a não ter preconceito”, diz Ana Claudia.

FONTE: G1

 

 

Viver amor na família

O amor que nos une, nos torna uma família.

FAMÍLIA
Lei nº 12.010 de 2009 - Artigo 25 : "Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade." (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

“Na estação da vida fomos atraídos pelo vagão do destino que nos levou para uma maravilhosa viagem de encontro ao amor.”